Museu da Empatia chega a São Paulo:

Por 0 , , , Permalink 0

Colocar-se no lugar do outro e ter a oportunidade de vivenciar experiências diferentes das que vivemos é a proposta da Associação Intermuseus, que traz pela primeira vez ao Brasil o Museu da Empatia, com a instalação ‘Caminhando em seus sapatos…’

O projeto internacional, sediado em Londres, idealizado pelo emphatymuseusm é dedicado a desenvolver a capacidade de olhar o mundo com os olhos de outras pessoas. Por meio de experiências sensoriais e situações de diálogo e conexão entre os indivíduos, busca explorar como a empatia pode transformar as relações interpessoais, inspirar mudanças de atitude e até contribuir para enfrentar desafios globais como preconceitos, conflitos e desigualdade. Esta é a proposta de ‘Caminhando em seus sapatos…’, que contará com um acervo de 25 depoimentos na edição brasileira da mostra.

‘Caminhando em seus sapatos…’ é um projeto idealizado pelo Empathy Museum, criado pela artista britânica Clare Patey em colaboração com o filósofo e escritor Roman Krznaric. No Brasil, tem curadoria Intermuseus, que o realiza em conjunto com Artsadmin em parceria com British Council e Instituto Alana e tem a FCB Brasil como agência oficial.

“Será um espaço para ouvir e refletir sobre experiências de vida que tocam em pontos fundamentais de nossos sentimentos, valores, crenças, percepções e atitudes”, explicou Andréa Buoro, diretora do Intermuseus.

O título original da exposição – ‘A Mile in My Shoes’ – remete ao provérbio indígena never judge a man until you have walked a mile in his moccasins (nunca julgue um homem até você ter andado uma milha em seus mocassins). Desde 2015, o Empathy Museum coletou mais de 150 histórias e pares de sapatos, tendo recebido um público de mais de 10 mil visitantes. A Mile in My Shoes foi exibida em Londres e em Redcar, na Inglaterra, e em Perth, Austrália. Nos próximos anos, há planos de realizar novas versões da instalação em Namur (Bélgica), Moscou (Rússia) e Milão (Itália).

 

Veja alguns dos depoimentos:

 

“O mais difícil foi que, para priorizar o aluguel, eu passei muita fome. Ou eu pagava o aluguel ou eu comia. Aí, não conseguindo mais pagar o aluguel, eu fui para a rua com as crianças, embaixo do viaduto do Glicério.”

“Eu só posso falar do que eu vivo, e escutar do outro aquilo que ele vive. Eu só quero que você veja que é possível a gente existir e ser feliz do jeito que a gente é!”

“A dor da minha mãe não é a mesma dor que a minha, como irmã. Minha mãe até o dia de hoje está sentada no sofá esperando o meu irmão entrar porta adentro. O desaparecimento para mim é uma morte sem fim. É uma tortura que não passa nunca mais.”

“A família se coloca numa posição de preocupação com o sofrimento. Se você emagrece é a primeira coisa que falam: ‘nossa, como você emagreceu, está bonita, emagreceu!’ Me incomoda de ser pauta, entendeu? Por que você não me pergunta se eu estou bem, o que eu tenho feito, e não me elogia porque eu emagreci? Ser magra não é elogio.”

“A coisa que eu mais temi, por 15 anos da minha vida, foi abrir a porta do quarto do meu filho. Era a coisa que eu tinha mais pavor.”

“Um dia nasceram três passarinhos aqui na minha casa. E os pais deles abandonaram o ninho. Eu tive que cuidar deles. Aquilo mostrou que eu era alguém: um serzinho acreditava em mim, precisava de mim 24 horas por dia! Ali eu percebi que eu não era uma pessoa tão inútil assim, que eu tinha uma qualidade de poder cuidar dos outros.”

 

 

De 18 de novembro a 17 de dezembro, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo.

Vale a visitação!

 

No Comments Yet.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


:D :-) :( :o 8O :? 8) :lol: :x :P :oops: :cry: :evil: :twisted: :roll: :wink: :!: :?: :idea: :arrow: :| :mrgreen:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.